“Boceta” é um nome muito agressivo. Tanto para começar um texto, quanto para se designar à maravilhosa perereca feminina. Há também muita dificuldade em denominar o “pau” em aparelhos tão pudicos como o iPhone. O “caralho” vira “cadarço” e “foda” vira “fora”.

A necessidade de achar um substitutivo para os nomes dos órgãos genitais é milenar. A reinvenção é constante, aproveitando acontecimentos históricos e do cotidiano. Encontrar um comparativo é tão urgente quanto para aquilo que mais são lembrados: fazer sexo. Porque para ela fazer xixi, basta “botar a boneca pra chorar”. E para ele se aliviar, é só “deixar a cobra fornecer o soro”.

Com pensamentos tão puros quanto o de um monge enclausurado com acesso à Internet, descrevemos os mais novos – e provisórios – nomes para vagina e pênis, respectivamente.

Vagina

“Caverna do Dragão”

“Provador de Camisinha”

“Garagem do Picasso”

“Cachoeira Encantada”

“Grand Canyon da Sacanagem”

“Vizinha da fábrica de churros”

“Beiço da Cicarelli”

“Maquininha de cartão de crédito”

“Pedágio do Rodoanel”

“Sovaco de perna”

“Olho de Sauron”

“Entrada USB”

“Pega-Vareta”

“Caçapa de bilau”

“A nova barba do Bel do Chiclete com Banana”.

Pênis

“Cabeça de gato sem orelha”

“A perna que falta pro Roberto Carlos”

“Insurgente iraquiano”

“Bandeirante” (para o caso de mulheres com muito pelo)

“Troféu Imprensa”

“A saudade da Ariadna”

“A luneta que enxerga o meteoro da paixão”

“Corrimão sem escada”

“Espada Justiceira”

“Vibrador de carne”

“Dedo sem unha”

“Boneco de Olinda”

“Capacete do Magneto”

“Perna do Q”

“Silvio Berlusconi”

Colaborou nesse artigo de primeira necessidade o abominável Adriano Matos.

***

É isso, caro leitor. Se você tem mais algum apelido da hora, informe nos comentários abaixo. Mas lembre-se: com respeitinho.