Deus, quem diria, começou pequeno. Primeiro, surgiu com sua formosura de mulata (sim, Deus é uma mulata) só para os amigos íntimos na lista de e-mails do quadrinista paulistano Rafael Campos Rocha. Não houve quem não curtisse: afinal, era a sapiência do Todo-Poderoso, mas com o rebolado e o jogo de cintura de uma rainha de bateria de escola de samba. Resultado: Deus acabou migrando para o caderno Ilustríssima, do jornal Folha de S.Paulo, e arrebanhou ainda mais devotos do que pastor evangélico. Agora vai “catequizar geral” na bem-humorada graphic novel Deus, Essa Gostosa (HQs na Cia., 1/2), que retrata seu cotidiano ao longo de sete dias. Ela até poderia dedicar essa semana retratada a refazer a Criação, mas prefere gastar seu precioso tempo com cervejinha, papo furado sobre futebol ou a gerência de sua sex shop. Ela não quer passar sermão, e Campos não pretende simplesmente escandalizar, como pode parecer. Superado o choque de ver Deus como nem Sargentelli sonhou, o que sobra é uma figura cheia de carisma e de carinho pela humanidade.

 

Matéria publicada na Revista PLAYBOY de julho de 2012.