1. Você já fez três vilãs em novelas do Manoel Carlos [Mulheres Apaixonadas, Laços de Família e Páginas da Vida]. Por que ele não gosta de você?
Ou ele me adora, né!? Acho que é o contrário [Risos]. O Maneco sempre disse que eu tinha uma cara muito de menina inocente e que isso era bom, porque eu ia lá e fazia uma maldade. É um contraste.

2. Com que tipo de homem você jamais se envolveria?
Não gosto de homem muito vaidoso, que se acha, que tem que provar o tempo todo que é bom. No meu meio, o que eu mais conheço é gente assim, mas não me agrada. O legal é cada um descobrir o que tem de melhor nesse sentido, mas sem se autovalorizar o tempo inteiro. É o cara cool, na verdade. Ele tem, sabe, é seguro e acabou. Esse é o bacana. Imagina ter que dividir creme hidratante com um cara, que péssimo! [Risos]

3. Então seu problema é com os metrossexuais…
Acho que tem que ter um limite nisso também, sabe. Não gosto de quem põe a vaidade acima assim, e isso está se perdendo um pouco. Às vezes me assusta.

4. Sua personagem da nova novela de seis, A Vida da Gente, é definida como uma alpinista social. Você chegou a fazer laboratório com alguma periguete?
Não [Risos]. Eu me inspirei muito nos filmes do Woody Allen, assisti a muitos filmes da Marylin Monroe também. Minha personagem tem um quê de burrinha e é meio perdida. Então eu peguei mais essas outras fontes do que uma periguete real.

5. Tem alguma coisa que você se recusaria a fazer como atriz?
Não sei. Talvez não estivesse muito a fim de fazer uma peça em que tivesse que ficar nua.

6. Tipo uma peça do Zé Celso…
Isso! Por mais que eu o admire, não sei se estaria preparada para isso. Já fiz cenas de nudez em cinema e TV, mas, no teatro, eu não sei, tem que ter muito desprendimento. Mas a gente tem que ultrapassar nossos limites para conhecer, né!?.

7. Já levou muita cantada no Projac?
[Balança a cabeça positivamente] Ah, tem muita brincadeira, cantadas de amigos, os técnicos. São coisas que a gente leva na boa porque todos os dias estamos juntos, mas tem uma cantada mais séria também. Mas eu só fico nas brincadeiras.

8. Já broxaram com você?
Já rolaram algumas situações, é meio estranho. Acho que essa é uma grande preocupação da mulher porque ela fica achando que o problema é com ela e tal. Não tem como não pensar nisso. Mas para o homem também é muito difícil. Ele tem que estar com a cabeça muito boa e, principalmente em relacionamentos longos, você acaba percebendo isso. O cara tem que estar legal em vários aspectos, mas mulher também. Porque ela tem que relaxar para poder acontecer legal. Mas eu estou adorando a idade, porque nós vamos aprendendo. Acho que, aos 20 anos, somos muito prepotentes, achamos que sabemos de tudo, mas depois mudam algumas coisas. Aprendemos a ter mais paciência. Eu gosto da idade chegando.

9. Então, agora, com 33 anos, você se considera melhor de cama…
Isso você vai ter que perguntar para o meu namorado. Só ele pode responder. Eu não sei, poxa. Não vou dizer: “Porra, eu me acho foda!”. Só ele pode responder [Risos].

10. Se já queriam que você posasse nua quando interpretava uma agressora de idosos em Mulheres Apaixonadas, de 2003, já imaginou agora que vai fazer uma gostosa?
Quando eu disse que ia vir fazer umas fotos para a PLAYBOY já ficaram me perguntando se eu ia posar de novo e tal. Mas não dá para controlar o imaginário dos homens, ou das mulheres, né? Eu só estou focada na personagem para fazer ela da forma mais crível possível. Quero dar vida a ela.