Como falar sacanagem sem ofender a moça?
Pegue leve nas primeiras vezes – nem toda mulher gosta de ser chamada de certos nomes na cama. Comece no passado, comentando coisas que aconteceram: “Adorei quando você [verbo] meu [substantivo]”. Preste atenção às reações dela e aos poucos passe para o presente e o futuro. Ela retribuiu? Vá em frente, mas lembre-se de que no começo é prudente não soltar frases que pareçam ter sido tiradas do roteiro do filme Anal Total 3.

Pega mal dar um brinquedo sexual de presente?
“Só se não existir intimidade suficiente entre o casal”, diz o sexólogo Celso Marzano. Se você acha que tem, escolha um acessório que não seja muito intimidante – como um vibrador clitoriano em formato de borboleta, bonitinho e eficiente – ou proponha ir com ela a uma sex shop e deixe-a escolher. É aconselhável não fazer uma surpresa sem antes ter falado com ela sobre o assunto: imagine se a gata desembrulha o presente acreditando que é uma joia e aparece um vibrador… “Sabe onde ela vai querer enfiar aquilo? E não é no dela”, diz Vanessa de Oliveira, autora de 100 Segredos de uma Garota de Programa.

Como recusar uma transa sem constranger a moça?
Seja por causa do cansaço, de dor de cabeça ou simplesmente porque não está com vontade, deixe claro que o problema é com você, e não com ela. E prepare-se para repetir isso à exaustão porque ela não vai acreditar.

Se meu pênis é pequeno ou grande demais, devo avisar?
É melhor ficar quieto. Ela pode não concordar com a sua avaliação: o que é grande para você talvez não seja para ela. E tentar convencê-la vai ser um momento no mínimo constrangedor. “Só avise antes se você for eunuco ou o Kid Bengala. Se não, deixe para a hora H e use direito o instrumento que Deus lhe deu”, opina Vanessa. Além disso, segundo o psicólogo Paulo Tessarioli, “a preocupação com o tamanho do pênis está mais na cabeça dos homens do que nas mulheres”.

Pega mal pedir sexo anal já na primeira vez?
“É como se houvesse uma plaquinha ali na área em que estivesse escrito ‘O tabu conserva esta área’”, diz o autor do livro Vamos Falar de Sexo?, Paulo Tadeu. “A maioria das mulheres precisa de mais tempo de convivência e confiabilidade para topar essa prática”, diz o sexólogo Celso Marzano. A dica é ver se a química entre as duas partes é tal que esses limites possam ser extrapolados na primeira vez. Só não pressione a gata a fazer algo antes que esteja preparada.

Sexo oral tem de ser recíproco?
Não necessariamente, mas de forma geral egoísmo não pega bem nem na mesa de jantar nem no sexo. Retribuir os carinhos da moça pode dar mais crédito do que você imagina. “Mas há mulheres que precisam de maior intimidade para receber sexo oral do que para a penetração”, diz o sexólogo Celso Marzano.

Só um tapinha não dói?
Depende. Algumas mulheres curtem uma puxada de cabelo e uma palmada na bunda durante o sexo, “mas a maioria delas repudia a dor e não a associa com prazer”, afirma Celso Marzano. Tome cuidado para não ser ofensivo. “Esteja atento às formas como ela gosta de ser estimulada”, aconselha o psicólogo Paulo Tessarioli. Melhor pegar leve em noites de estreia com uma nova gata.

Dá pra me safar se eu errar o nome dela na cama?
Quase impossível, meu amigo. Como explicar que foi um golpe baixo do seu inconsciente? Peça desculpas, dê atenção especial a ela para amenizar o impacto e conforte-se no fato de que você não foi o primeiro nem será o último a passar por essa gafe clássica.

Devo avisá-la quando estou perto do clímax?
Não como forma de cortesia, a não ser para não surpreendê-la quando se trata de sexo oral. “Nessa hora uma colher de sopa parece uma xícara”, confessa Vanessa. Na dúvida, um simples e objetivo “Vou gozar” dá conta do serviço.

Como agir depois de uma broxada?
Muita calma nessa hora! Não faça drama. A frase “Isso nunca aconteceu comigo antes” não ajuda e só vai piorar a situação, além de ser uma provável mentira. Mulheres gostam de homens bem-humorados: ria da circunstância, relaxe e tente de novo mais tarde. Ou, ainda, siga o valioso conselho de Vanessa: “Use a língua!”.

Qual é a hora certa de sair após uma transa casual?
Nunca antes de trocar algumas palavras – que não precisam ser sobre a transa. Embora batida, a frase “Não posso ficar porque trabalho cedo amanhã” ainda vale como justificativa diplomática para uma saída antecipada. Anotar o telefone dela antes de sair é um gesto elegante, ainda que você não tenha a menor intenção de usá-lo.

Ainda tenho de ligar no dia seguinte?
Sim, por uma questão de educação, por mais que tenha sido só uma transa casual. A ligação pode ser substituída por uma mensagem pelo celular ou um e-mail. De qualquer forma, o escritor Paulo Tadeu salienta que para isso será preciso que a ressaca permita que você se lembre do nome da moça, do lugar onde guardou o papel com o telefone dela e se realmente rolou sexo.